Como conseguir uma Bolsa de Estudo no Exterior?

Não existe perguntas mais frequentes do que: “como conseguir uma bolsa de estudo?” ou “como eu faço para ganhar bolsas de estudo?”. A resposta é bem simples: busque por uma oportunidade e se inscreva. Na verdade, ninguém ganha uma bolsa de estudo, mas sim conquista essa bolsa. O grande segredo é ter um bom planejamento.

O ideal é não se inscrever para uma, mas sim para várias bolsas de estudo. A concorrência em alguns programas pode ser assustadora, se você se inscreve para mais de um programa, obviamente suas chances aumentam. Então não procure apenas por uma, mas sim por várias bolsas de estudo.

1) Buscar as Oportunidades 

Existem muitas fundações, universidades, programas e concursos que oferecem bolsas de estudo para todos os cantos do mundo. Da maior parte deles, poucos sabem e muitos desconhecem. O Passaporte Mundo poupa você do trabalho de buscar essas oportunidades e divulga diariamente bolsas para programas dos quais talvez você nunca ouviria falar. Visite o nosso site diariamente e encontre aqui as mais variadas oportunidades de bolsas de estudo no exterior. Acompanhe também as nossas redes sociais, sobretudo as nossas páginas no Facebook. Passaporte Mundo e Estudar no Exterior. Para fazer a busca pelas oportunidade basta clicar aqui.

2) Carta de Motivação

Não precisa ser um gênio da literatura para escrever uma boa carta de motivação, mas tenha em mente que normalmente ela é a única maneira do um avaliador conhecer você. Então, capriche e não tenha medo de deixá-los com a impressão de que não existe ninguém no mundo que quer ou mereça mais aquela vaga do que você. Não precisa exagerar, de maneira nenhuma mentir, e nada de escrever em tom desesperado. Mas você quer a bolsa e quer muito, então deixe isso bem claro. Cuidado com erros de ortografia, também não seja informal demais. Sempre peça para algum amigo ler e faça a ele a seguinte pergunte: você escolheria essa pessoa? Também  vale a pena conferir na internet algumas dicas e exemplos de cartas de motivação.

3) Cartas de Referências

A maior parte dos programas que oferecem bolsas de estudo solicitam aos candidatos algumas cartas de referência, geralmente apenas uma, mas alguns programas podem pedir até três cartas. Essas cartas devem ser escritas por professores, coordenadores, orientadores, chefes ou empregadores. Para programas de mestrado e doutorado, normalmente pede-se duas cartas de referência acadêmica e uma de referência profissional. Para programas de MBA e especialização, o mais habitual é que as cartas sejam de referências profissionais. Independente do programa e do tipo de bolsa, invista nas cartas de referência, afinal de contas, ninguém melhor do que professores e empregadores para avaliar sua atuação. Ter um bom relacionamento com seus professores e empregadores pode ser determinante para seu futuro, portanto, seja um bom aluno!

4) Currículo

Um bom currículo é essencial para conquistar uma bolsa de estudo no exterior. A maior parte das universidades estrangeiras valorizam trabalhos voluntários e projetos de extensão. Ter boas notas e um alto rendimento acadêmico é um diferencial muito importante, portanto pra você que planeja conseguir uma bolsa nos próximos anos, estude e procure tirar boas notas. Se você está a procura de bolsa de mestrado e doutorado, um grande diferencial é ter artigos e trabalhos publicados em periódicos científicos e congressos acadêmicos. Para quem procura uma bolsa de MBA ou especialização, um fator decisivo pode ser o tempo de experiência profissional. Invista sempre no seu currículo. Se a bolsa de estudos for para algum país europeu, elabore um curriculo no modelo Europass.

5) Documentação

Todos os programas de bolsas no exterior vão exigir vários documentos. Geralmente pedem cópia do passaporte, histórico escolar, plano programático de disciplinas cursadas, diploma de conclusão de curso, certificados de idiomas, atestados de antecedentes criminais… Enfim, a lista é longa, mas claro que isso varia de programa pra programa. O que você deve ter em mente é que se eles pediram o documento, você tem que enviar, mesmo que você tenha de arcar com alguns custos, seja por traduções juradamentas ou por taxas que alguns colégios e faculdades cobram para emissão de um ou outro documento. Não deixe nunca de enviar todos os documentos solicitados. E lembre-se, encaminhar todos esses documentos não é um diferencial, é um requisito básico e nada mais do que sua obrigação.

6) Idiomas

Praticamente todos os programas de bolsas no exterior exigem que no ato de inscrição os candidatos comprovem através de certificados que possuem conhecimentos no idioma que o curso será realizado. Se você fez cinco, dez ou vinte anos de curso de idioma e tem um diploma da sua escola, sinto te informar que ele não é válido como comprovação. A comprovação só é válida através de exames oficiais reconhecidos por autoridades, sejam elas governamentais ou acadêmicas. Se você é fluente em determinado idioma e ainda não fez nenhum exame oficial, prepare-se e faça o quanto antes, sem ele você não conseguirá nada. Para quem ainda não tem proficiência no idioma, a dica é simples: matricule-se em bom curso, leve a sério, faça exercícios e prepare-se bem para o exame proficiência. Uma boa dica é o Livemocha, uma rede social colaborativa, onde pessoas de vários países aprendem e ensinam idiomas. Outro bom site é o Duolingo, onde é possível aprender gratuitamente vários idiomas.

7) Projeto

Se você procura uma bolsa de pós graduação, mestrado ou doutorado, provavelmente você terá que enviar um projeto de pesquisa para ser avaliado. Ter um bom projeto de pesquisa é ter a chance de conseguir uma bolsa multiplicada pelo menos umas dez vezes. Não há nada melhor do que um bom projeto para conseguir uma bolsa no exterior. Em alguns programas o projeto de pesquisa tem mais peso na decisão final da universidade do que o próprio currículo e experiência profissional do candidato. Então fica a dica, se você procura uma bolsa de mestrado ou doutorado, foque no seu projeto de pesquisa e sempre peça ajuda a professores e especialistas na área. Também procure saber quais são as recomendações da universidade em termos de formatação, número de páginas e etc. Lembre-se também de colocar boas referências bibliográficas no projeto, incluindo alguns autores de metodologia científica.

8) Não Pressione

Geralmente os processos de seleção são demorados, chegando a durar alguns meses. Claro que nesse tempo a ansiedade vai a mil e a todo momento você se vê acessando o site do programa, ou atualizando o seu email de cinco em cinco minutos para ver se chegou uma noticia boa. Muita calma nessa hora! Depois que você já enviou todos os documentos, só resta esperar. Não fique enviando emails para a comissão de seleção cobrando os resultados. Quase sempre há atrasos durante o processo, principalmente se tiverem muitos candidatos inscritos. Portanto, não queime o filme e não perturbe a comissão de seleção. Pode até demorar, mais uma hora o resultado sai.

9) Não Desista

Se você realmente quer ou precisa de uma bolsa para estudar no exterior, não pode desistir no primeiro não. Preencher formulários, escrever cartas de motivação, trabalhar no desenvolvendo o projeto de pesquisa e conseguir todos os documentos necessários é uma tarefa árdua e muitas vezes chata, mas sem isso você não vai a lugar algum. A parte boa, é que quanto mais você vai tentando, mais experiência vai conseguindo e mais fácil vai ficando o processo todo. Portanto, não desista, se você não foi aprovado em uma seleção, tente novamente, faça uma reflexão sobre todo o processo, procure por falhas e tente sempre melhorar. As experiências de alguns bolsistas mostram que foram necessárias várias candidaturas para uma bolsa de estudos aparecer. O segredo é sempre não desistir.

10) Inscreva-se

Jamais alguém vai bater na sua porta perguntando “oi, quer uma bolsa de estudos?” Geralmente não tem como você saber se vai concorrer com três ou com três mil candidatos, embora alguns programas revelem o número total de inscrições, o que pode te trazer desespero ou alívio. O segredo é sempre tentar. Inscreva-se não em uma, mas em duas, três ou quatro bolsas ao mesmo tempo (claro, confira antes se algum edital proíbe a inscrição em outros programas). Como já foi dito, quanto mais você vai tentando, mais experiência vai conseguindo e mais fácil vai ficando o processo todo, dá trabalho, mas é o jeito. Afinal de contas, além de tempo, o que mais você tem a perder mesmo?

Compartilhar:
}